(16) 3371-2277
Praça Dom José Marcondes Homem de Mello
(Av. São Carlos s/nº) Centro, São Carlos/SP
“Eu sou o bom Pastor”

“Sou bom pastor, ovelhas guardarei,

nãotenho outro oficio nem terei.

Quantas vidas eu tiver eu lhes darei”!

Caríssimos Irmãos e Irmãs, a liturgia deste Domingo nos apresenta a Figura do Bom Pastor. Este Evangelho narrado por João(10, 11-18), eleva nosso olhar para sabermos reconhecer verdadeiramente a voz d`Aquele que nos criou.

No Versículo 11: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas…”é importante notar que essaafirmação de Jesus, parece um pouco contraditória, olhando de uma ótica lógica, em relação a atividade do pastoreio da época. Naquele tempo, a criação de ovelhas tinha como finalidade a subsistencia do Pastor, seja com o aproveitamente da lã, ou até mesmo para o abate.

O que vos parece? Jesus ao contrário dos outros pastores e mercenários e que não protegem seu redil, não só dá a vida para suas ovelhas, como vai atrás daquela que se perdeu e a reintegra junto as 99. O dar a vida, também esconde o Mistério da imolação que se concretiza na Cruz e se estende até a ressureição. Sem dúvidas, Cristo era é um Pastor diferente, na qual a missão é nos proporcionar uma vida plena e abundante, e não tirá-la como fazem os falsos pastores.

O verdadeiro dono da grei, conhece suas ovelhas e elas também o conhece a ponto de identifica-lo apenas pela voz. Assim também, O Pai conhece o Filho e o Filho conhece o Pai, Cristo nos traz através de sua misericórdia, a filiação Divina que nos permite chamar a Deus de Aba – Pai, isso nos confirma a 1ª Leitura desse Domingo, tirado do livro dos Atos dos Apóstolos: “Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: de sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos! Se o mundo não nos conhece, é porque não conheceu o Pai”. At(4,8-12)

“Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem” – Quem conhece também chama pelo nome, o chamar pelo nome tem um significado importante, pois denota um grau de amizade e intenso conhecimento do ser. O Doutor Angelico, ou seja, Santo Tomás de Aquino conclui que o “chamar pelo nome”  – nominatim- esclarece o seguinte: “ a Eterna predestinação, pela qual Deus conhece cada ovelha, cada homem”.Deus nos conhece porque nos criou incutindo em nós um amor único, por isso ninguém é igual a ningúem, cada pessoa tem a graça de ser amado por Deus mesmo sendo pecador, pois somos predestinados ao amor e predestinados a amar.

16 “Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil: também a elas devo conduzir; elas escutarão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor”. Podemos trazer para uma reflexão sobre os dias atuais, essas palavras de Cristo, no sentido de que há muitas ovelhas dispersas pelo mundo em diversas denominações, entende-se o seguinte:Cristo já alertava sobre a separação das Igrejas que se fraguimentaram pela sociedade, contrariando o desejo do Verdadeiro Pastor. Sobre isso, podemos afirmar com total clareza de que tudo aquilo que une vem de Deus e o que desune não está na proposta que o próprio Cristo nos deixou como ensinamento.É por isso, que no final haverá um só rebanho e um só Pastor.

 É com base no amor de Deus e com caridade que devemos nos esforçar para exercer o diálogo com as outras religiões, principalmente com as religiões Cristãs, porém como afirma o Papa Emérito Bento XVI: “O diálogo não pode substituir a missão”, contudo, ficar apenas no diálogo não resolverá em hipótese alguma o problema da divisão, se não avançarmos em atitudes concretas que levarão a um entendimento Doutrinal, Evangélico e pastoral entre as Igrejas.

17“É por isso que meu Pai me ama, porque dou a minha vida, para depois recebê-la novamente. O termou “dou”,  por excelencia, demonstra a liberdade de Cristo ao se deparar com o vontade do Pai e ao cumprir com observancia a missão, na qual, fora encarregado de cumprir. Jesus foi “obediente, obediente até a morte de cruz” – Filipenses(2:8).OBEDIENTE vem do latim: oboedire = escutar com atenção,AUDIRE, “escutar”. Ele soube escutar com atenção e deu, se entregou de maneira livre e consciente a sua própria vida por nós, nos restituindo a graça e renovando de maneira única e irrepetível a ligação entre Deus e os homens, através da sua morte e ressureição.

Portanto,Estimados Irmãos e Irmãs, que este Tempo Pascal nos ajude a ser como ovelhas que sabem seguir e escutar a voz do Supremo Pastor que é Cristo. Ele que age por meio de nós, nos conduzindo para verdes pastagens,se compadecendo quando estamos fora do redil e curando as nossas feridas quando os ferozes lobos dos problemas da vida nos atacam. Para vivermos em comunhão íntima com Deus, é necessário ter a vontade de retornar ao rebanho, não basta apenas a vontade d`Ele, tem que ter a sua, pois já dizia Santo Agostinho: “Deus que te criou sem ti, não te salvará sem ti”.

Gustavo da Silva Santos

Seminarista do 1º ano de Filosofia.