(16) 3371-2277
Praça Dom José Marcondes Homem de Mello
(Av. São Carlos s/nº) Centro, São Carlos/SP

O Papa Francisco se comprometeu nesta quarta-feira (20), diante de representantes de outras igrejas e comunidades eclesiais cristãs, a “prosseguir o diálogo ecumênico”.

Diante de representantes do judaísmo, Francisco prometeu “pontencializar” o diálogo iniciado sob o Concílio Vaticano II.

O pontífice recebeu na Sala Clementina, no Palácio Apostólico, os representantes, que vieram ao Vaticano para a cerimônica de inauguração de seu pontificado, ocorrida na véspera.

“Desejo assegurar minha firme vontade de prosseguir com o diálogo ecumênico”, afirmou o Papa Bergoglio que, na mesma linha que os anteriores, insistiu na urgência de que todos os cristãos sejam “uma só coisa”, para que possam testemunhar de maneira “livre, alegre e valente” o Evangelho.

‘Será nosso melhor serviço (a unidade) em um mundo de divisões e rivalidades”, acrescentou.

O patriarca ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, falou em nome dos presentes e lembrou que a primeira preocupação dos cristãos tem que ser a unidade, para poder dar um testemunho crível.

Foi a primeira vez desde 1054 que o patriarca de Constantinopla assiste a entronização de um pontífice.

“A Igreja Católica é consciente da importância da amizade e do respeito entre os homens e mulheres das diferentes tradições religiosas”, declarou o Papa.

Francisco também saudou os representantes das Igrejas protestantes ocidentais, ressaltando “a unidade entre todas as pessoas que creem em Cristo” e a necessidade de uma “leal colaboração” entre todas as confissões cristãs.

Líderes das comunidades judaica, muçulmana, budista, jain e sikh também estiveram presentes.

Em seu discurso, o Papa pediu “que não prevaleça uma visão humana que reduz o homem ao que produz e ao que consome”.

“Este é um dos perigos de nosso tempo”, reconheceu Francisco, que enquanto arcebispo de Buenos Aires fez várias críticas às consequências da globalização.

“Temos de estar próximos aos homens e às mulheres que, mesmo que não se reconheçam em nenhuma tradição religiosa, estão à procura da verdade, bondade e a beleza de Deus”, declarou.

À delegaç??o judaica, composta por 16 pessoas, o Papa ressaltou o “laço espiritual” que une os cristãos aos judeus.

“Aprecio vossa presença e a vontade de cooperar para o bem da humanidade”, disse, ressaltando a importância de uma “coexistência pacífica entre as religiões”.

“Agradeço também a participação de todas as outras tradições religiosas e, sobretudo, os muçulmanos que invocam assim a misericórdia de Deus”, afirmou o Papa.

Em sua visão, a mensagem que as diferentes religiões têm em comum é a de “manter viva a sede do absoluto”.

Entre os primeiros gestos do Papa Francisco em direção ao ecumenismo está a decisão de enviar uma carta ao rabino de Roma na qual deseja “poder contribuir ao progresso das relações entre judeus e católicos conhecidas a partir do Concílio Vaticano II, em um espírito de colaboração renovada”.

A relação entre Francisco e os judeus já é conhecida. Junto ao rabino argentino Abraham Skorka, o então cardeal Jorge Bergoglio escreveu o livro “Sobre o céu e a terra” (2010), no qual os dois dialogam sobre o divino e o humano.

Fonte: G1

Adicionar comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *